quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

A "tendenciosa" história de Jesus - por Superinteressante

[Daniel Lüdtke]

A capa da Superinteressante de dezembro de 2002 trombeteou: “A Verdadeira História de Jesus”. A verdade, todavia, elemento primordial de um texto jornalístico, deu lugaro ao sensacionalismo, unilateralidade e distorção! Neste texto, serão estudados os principais autores-base do texto, seus argumentos e linhas histórico-teológicas. Serão verificados os pontos apresentados como verdade por Rodrigo CAVALCANTE, autor da reportagem, e os deslizes éticos de jornalismo na mesma.

Chamada sensacionalista

A chamada da revista Superinteressante de dezembro de 2002, de verdade não tem nada. Sensacionalista, a manchete indica trazer informações bombásticas; novidades sobre Jesus. Entretanto, o que traz são assuntos mal resolvidos, argumentados por autores liberais, numa visão unilateral do Jesus histórico.

Em entrevista com Adriano Silva, diretor de redação da revista, perguntou-se quanto à chamada da reportagem. Silva respondeu que a intenção foi fazer uma “licença poética” (TORRES:2003).Talvez essa possa ter sido a intenção do autor, mas o que chegou aos leitores foi um texto sensacionalista, do tipo “prometeu e não pagou”[1]; afronta infundada à veracidade dos evangelhos e à crença de milhares de pessoas.

No Observatório da Imprensa, Isabel Rebelo ROQUE argumenta que os jornalões brasileiros, como Folha de S. Paulo, estão sofrendo de “ausência de suplementos científicos”. Para exemplificar a desqualificação dos mesmos, cita a Superinteressante como exemplo: “manchetes bombásticas que, no mais das vezes, criam uma expectativa de consistência que não se confirma ao longo da leitura. Em geral, tratam de estudos recentes ainda carentes de embasamento e aceitação no meio científico. Isso, em vez de passar ao leitor um sentimento de participação no processo, faz dele um alienado, um objeto à deriva, uma angustiada cobaia que na edição seguinte lerá que aquilo tudo ´não era bem assim´. Isso quando a coisa não pára por ali mesmo, e ele fica com a capenga informação inicial (2002)”.

Os tópicos a seguir abordarão os autores nos quais a reportagem foi baseada e as ditas “verdades” da Superinteressante, provando assim o caráter unilateral do texto na apresentação de seus discursos.

Reportagem baseada em autores liberais

Os principais autores citados por Rodrigo Cavalcante, autor da reportagem, são: John Dominic Crossan, Richard Horsley, André Chevitarese, John P. Méier, Jaldemir Vitório. No capítulo anterior falou-se do grave erro jornalístico de selecionar fontes para expressar opinião própria. Todavia, esse parece ser um dos deslizes cometidos por CAVALCANTE. De linha liberal, os autores são citados ao longo do texto sem nenhuma opinião contrária.

Crossan[2], por exemplo, é um padre Jesuíta da ala ultra-liberal. Para ele o Jesus histórico é totalmente distinto do Jesus aceito pela fé. Crossan é seguidor das idéias de Albert Schweitzer[3], que afirmava que Jesus era um louco que anunciava o reino apocalíptico de Deus[4].

Contudo, como o reino de Deus não veio, na ótica de Schweitzer, este erro ocasionou sua morte.
Horsley[5], por sua vez, retrata o relato dos evangelhos como o documento de um movimento. Analisando-o, Martinus de BÔER afirma que para Horsley, Jesus e seus discípulos formavam um “movimento popular oposto à elite política e cultural de governantes e seus representantes, os escribas”. Segundo Horsley, “na oração pelo reino, Jesus ensinou ao povo a pedir ao Pai celeste pelo pão da sobrevivência e pelo cancelamento de dívidas”. Percebemos aí claramente a tendência liberal de Horsley.

Na mesma linha não-conservadora encontra-se John P. MÉIER, historiador moderno, padre e ex-presidente da Associação Bíblica Católica. Seu caráter liberal pode ser claramente comprovado em seu livro Um Judeu Marginal, onde afirma que Jesus não nasceu em Belém e realizava seu ministério em Jerusalém na época das grandes festas, “quando as grandes multidões de peregrinos lhe proporcionariam um público que, de outra forma, ele não conseguiria atingir (MÉIER:1993, 401)”.

Quanto aos outros autores, embora não se tenham informações consistentes, nota-se seu feitio liberal através de seus comentários na reportagem. Enquanto os tradicionais baseiam-se estritamente nos evangelhos, os liberais tendem a especular.

Idéias apresentadas como verdade


Estudar as inúmeras idéias defendidas por Rodrigo CAVALCANTE tornaria este trabalho muito extenso. A partir daí, abordaremos os principais pontos, dispostos a seguir. A análise jornalística da reportagem buscará os conceitos de imparcialidade, transparência e exatidão do texto.

Jesus nasceu em Nazaré

No suspensório da reportagem aparece: “Ele não nasceu em Belém”. Uma afirmação convicta que adiante, no texto, é apresentada como uma possibilidade: “Provavelmente Jesus não nasceu em Belém”. Em outro momento o autor apresenta argumento de Valdemir Vitório: “Há quase um consenso entre os historiadores de que Jesus nasceu em Nazaré”. Mas afinal, Jesus nasceu ou não nasceu em Nazaré?

A imprecisão dos argumentos denota insegurança no discurso. Enquanto os próprios evangelhos afirmam que foi em Belém (“Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia...”)[6], a reportagem, sem argumentos sólidos, declara que não foi.

Além do mais, a única visão que consta na reportagem é a de que “provavelmente” Jesus tenha nascido em Nazaré, e não em Belém. Autores como Rodrigo P. SILVA, professor de Filosofia e Antropologia e Curador Adjunto do Museu Paulo Bork de Arqueologia Bíblica do Centro Universitário Adventista de São Paulo e autor de A arqueologia e Jesus, alegam que Jesus nasceu mesmo em Belém. Se não há consenso geral sob determinado fato, aquela vertente não pode ser tida como verdade absoluta. Entretanto, isso é o que “A Verdadeira História de Jesus” mostra.

É lenda a história de Herodes e a matança das crianças

Expõe CAVALCANTE: “(...) A terrível execução dos de recém-nascidos ordenada por Herodes (...) teria sido uma ‘licença poética do texto’, dessa vez para simbolizar que Jesus é o novo Moisés.” Na legenda da foto 1 a afirmativa é confirmada, articulando-se que esse fato “não passa de lenda”.

Enquanto CAVALCANTE tenta provar a inexistência do ocorrido, relatado em Mateus 2:16, autores como Russel Norman CHAMPLIN, teólogo tradicional, mostra o contrário: “Herodes, que facilmente assassinou sua esposa e filhos, achou fácil matar alguns infantes desconhecidos. As crianças mortas eram não só de Belém, mas também da aldeia vizinhas, pois Herodes quis ter a certeza de que o filho de Maria não escaparia. O número de crianças mortas provavelmente não foi grande (A. T. Roberson calcula que houve mais ou menos quinze a vinte crianças mortas). Devido a tão exíguo número, Josefo e outros historiadores não registram o incidente. Em comparação às atrocidades cometidas por Herodes, isso não se notabilizou (2002:282).”
Para composição de uma reportagem bem embasada, transparente e exata, Rodrigo CAVALCANTE deveria ter mencionado autores que contrapõem a idéia central. Não fazendo assim, comprometeu seu texto, tornando-o unilateralista e tendencioso.
Magos e fuga ao Egito não existiram

Embora o capítulo 2 de Mateus descreva a visita de magos a Jesus e em seguida a fuga de sua família ao Egito, CAVALCANTE rebate: “(...) A fuga de Maria e José para o Egito também teria sido uma ‘licença poética.’” Discute ainda: “Até os simpáticos três reis magos estariam ali para representar que Jesus foi reconhecido como messias por povos do Oriente - e quase nenhum historiador defende que, de fato, eles tenham existido.”

Acontece que a ausência de provas não é prova de ausência. O fato de não existirem fontes extra-bíblicas que comprovem esses ocorridos não quer dizer que são irreais. Entretanto, apresentar como verdade meras especulações, não é condizente com o jornalismo sério, e sim com o entretenimento.

Jesus foi um agitador político

Aqueles que conhecem as idéias dos teólogos liberais reconhecem neste ponto um típico argumento dessa linha teológica não-conservadora. CAVALCANTE declara: “No meio da multidão, pouca gente deve ter se comovido com a prisão e morte de mais um judeu agitador”. Semelhantemente, afirma Horsley: “Não é à toa que surgiram neste período vários movimentos populares de contestação ao poder romano, do qual Jesus era mais um representante.”
Descaracterizando o conceito de divindade de Cristo, defendido pelos teólogos conservadores, e apresentando o “Cristo arruaceiro” como o verdadeiro, CAVALCANTE peca na ética. Em assuntos como este é praticamente impossível alegar verdade incondicional.

Prova disso é que em maio de 2003 a revista Terra publicou a reportagem “A ciência encontra a Bíblia”, contraponto as idéias da Superinteressante. A revista Terra parece ter uma outra verdade bem diferente: “Rebelde político, arruaceiro, criador de uma seita, feiticeiro. Muitas são as definições que já deram a Jesus. Mas a verdade é que mais de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo crêem que ele era o que dizia ser: o filho de Deus (CAVALCANTI:2003, 56)”.

Existiram dois Jesus


Mais uma excêntrica prova de unilateralidade é mostrada na reportagem de Rodrigo CALANCANTE, ao expor tendenciosamente uma idéia liberal que prega e existência de dois Jesus distintos. A citação a seguir, apresentada como verdade, não foi em nenhum momento confrontada com opinião de teólogos de linha conservadora: “Pode parecer estranho, mas para os estudiosos há pelo menos dois Jesus. O primeiro, que dispensa apresentações, é o Cristo (o ungido, em grego), cuja história contada pelos quatro evangelistas deixa claro que ele é o enviado de Deus para salvar os homens com a sua morte.” Continua: “O outro Jesus (...) é Yeshua, o homem que morreu sem chamar muita atenção dos cidadãos do Império Romano.”
A parcialidade é tanta que CAVALCANTI coloca: “(...) Para os estudiosos há dois Jesus”. Que estudiosos? Logicamente isso se refere aos liberais. Mas por que isso não é mencionado no texto? Onde fica a transparência do jornalismo?

A idéia apresentada acima de dois Jesus parece basear-se nas idéias do teólogo liberal Martin Kähler, não mencionado na reportagem. Discursando sobre as idéias modernas e contemporâneas da Pessoas de Cristo, Edílson VALIANTE afirma que Martin Kähler faz diferença entre o Jesus da história e o Jesus da fé. O Jesus histórico é “o Jesus atrás dos evangelhos, que tinha pouca influência, capaz de conquistar apenas 12 discípulos”. Esse foi o Jesus que morreu sem chamar a atenção, colocado na reportagem como Yeshua. O outro é “o Jesus da fé, que teve grande influência, como foi crido e pregado pelos apóstolos (VALIANTE:2002, 20).”

Milagres de Jesus tinham caráter subversivo

Esta idéia está intimamente associada ao “Jesus arruaceiro”, que veio desafiar a elite dominante. Em duas citações principais, Horsley argumenta: “Hoje é difícil de entender como um ato desses [curar doenças] era radicalmente subversivo.” Ainda: “Uma série de outros curandeiros também usavam esse ritual [realizar curas] para desafiar o poder do templo naquela época.”
Embora essa não seja uma verdade para os teólogos tradicionais e conservadores, CAVALCANTE mais uma vez insere citações liberais sem mencionar sua linha teológica ou objetar com outras idéias. Enquanto o texto diz que os milagres de Jesus tinham o objetivo de provocar o governo, teólogos como MCDOWELL e WILSON afirmam que os “milagres de Jesus (...) não foram obviamente realizados para inspirar temor, mas para confirmar uma mensagem (1999:304)”. Articulam ainda: “Para os judeus os milagres eram sinais apontados para verdades particulares que Deus desejava revelar (1999:299).” Desse ângulo, ficam então descartadas os motivos subversivos dos milagres de Jesus.

Jesus era analfabeto

Esse é o único tópico onde o autor permite a contraposição de idéias. De um lado aparece Richard Horsley: “Pra muitos historiadores, ele provavelmente era analfabeto. Segue: ”Não acredito que ele [Jesus] fizesse parte dessa parcela [dos que sabiam ler].” Do outro lado contrapõe Juan Urias: ”Apesar de ter vindo de uma família muito pobre, é difícil imaginar que as discussões polêmicas que ele teve com seus contemporâneos relatadas nos evangelhos possam ter sido feitas por um homem que não sabia ler.”

O confronto de idéias aparece somente perto do fim da reportagem. Acontece que se trata de um ponto de pouca relevância. Por que CAVALCANTE não confrontou idéias nos assuntos polêmicas? Pseudoparcialidade parece ter sido usada aqui para dar um ar de transparência ao texto. KOVACH e ROSENSTIEL, em Elementos do Jornalismo, chamam isso de trapaça.

[1] Na mesma entrevista, Adriano comenta sobre a chamada da reportagem: “Existem as chamadas criativas, agressivas. Outras, bem diferentes, são as chamadas que cometam estelionato editorial - prometer e não entregar. Acho que a Super está longe disso.”
[2] Ver: CROSSAN, John Dominic. Jesus, Uma Biografia Revolucionária. Rio de Janeiro: Imago, 1994.
[3] Ver: SCHWEITZER, Albert. Minha Vida e Minhas Idéias: Albert Schweitzer. São Paulo: Melhoramentos, 1931.
[4] Ver: SILVA, Rodrigo P. A Arqueologia e Jesus. Engenheiro Coelho, SP: Imprensa Universitária, 2001. Pág. 14, nota 8.
[5] Ver: HORSLEY, Richard A.; HANSON, John S. Bandidos, Profetas e Messias: Movimentos Populares no Tempo de Jesus. São Paulo: Paulus, 1995.
[6] Citação de Mateus 2:1. Outras passagens dos evangelhos onde é confirmado o nascimento de Jesus em Belém são: João 7:42 e Lucas 2:4-7.

4 comentários:

alany disse...

Daniel muito interessante os assuntos abordados ... que Deus o abençoe sempre continue assim bjussss

Rodrigo disse...

Só discordo do fato de que P.Méier seja "liberal". Ele é tido como conservador nos círculos liberais, e a atribuição histórica que dá aos evangelhos é relativamente grande nesse âmbito acadêmico.

Contudo, compartilho da crítica de que Cavalcante agiu de forma panfletária, sua seletividade demonstra uma militância.
Porque será que esses textos, "críticos"(sic), não apresentam e contrapoem idéias divergentes da do autor? Ele passa batido de pessoas com calibre incomparável com o dele, como N.T.Wright, Richard Bauckham, Gary Habermas, Ben Whiterington...
Isso é embotamente. Eles tanto se aproveitam do "11 de setembro" para jogar retoricamente com o termo "fundamentalista", que não conseguem disfarçar o próprio fundamentalismo.

Pesquisador Cristão disse...

Quando li esta revista fiquei indignado com a desonestidade da matéria, pois faz afirmações sem o minimo de evidencias. Mesmo que eu não fosse cristão com certeza me irritaria ao ler tal coisa pois na verdade não diz "nada-com-nada"
O autor fala que Jesus teria provavelmente trabalhado como biscateiro, a prova para isso? Foram encontrado ruinas de edificios gregos proximos de nazaré. Mas e daí, quais são as provas que associam Jesus a estas ruinas?
Depois fala que ele era analfabeto. As provas? Por que ler o profeta Izaias poderia significar tanbem repetir. Mas afinal que tipo de prova é esta?

Eu só poderia definir este texto como sendo uma materia arrogante e perniciosa, sem sequer um fundamento. Onde estão os registros historicos da época para provar as afirmações feitas pela superinteressante?

Na realidade estas são possibilidades muito improvaveis que são postas como verdade, aliás como sempre faz a Superinteressante.

Seria como criar uma maquete dos tempos de Jesus com alguns argumentos arqueologicos bem conhecidos por qualquer teólogo e fazer um bonequinho de Cristo e leva-lo para onde quizer nesta maquete para depois apresentar sua tragetoria como verdade.

Acho que a palavra apropriada para este tipo de manipulação feita por essa revista é LAMENTÁVEL.

DjCaffe disse...

Daniel, que Deus abençoe sua vida viu.
Gostei muito dos assuntos aqui citados.
E também compartilho da indignação, sobre a manipulação feita da Revista Superinteressante.
Abraço